Conservação

Materiais arqueológicos e etnográficos possuem uma dinâmica de sobrevivência muito peculiar durante seu ciclo de existência. Durante seu enterramento, os objetos arqueológicos são expostos a uma série de reações físico-químicas
e biológicas próprias do seu microclima e tentam se adaptar a esta nova condição até novamente atingir um equilíbrio. O impacto da escavação rompe com esta estabilidade e mudanças continuam a acontecer no objeto ainda durante a sua trajetória do campo para os museus.

Objetos etnográficos são concebidos muitas vezes para um uso efêmero: uma dança, um ritual e o uso cotidiano são alguns exemplos da vida social destes materiais. Processos de deterioração podem ser desencadeados a partir da sua
própria concepção. Feitos de fibras vegetais, tecidos, plumárias, os objetos são manipulados e preparados para a sua manufatura. Além da sua trajetória de uso e sua biografia, são coletados e expostos a uma nova condição quando
ingressam nas reservas técnicas dos museus.

A Seção de Conservação participa do desenvolvimento e implementação, em conjunto com outros membros da equipe técnica do MAE-USP, de planos estratégicos e operacionais para a conservação do acervo arqueológico e etnográfico da instituição.

Temos o foco em ações de conservação preventiva e curativa.
Realizamos o controle e monitoramento das condições ambientais das áreas de guarda de acervo e ambientes expositivos.
Elaboramos o diagnóstico do estado de conservação das coleções, análises e relatórios técnicos. Assim como também são executados tratamentos e preparação de objetos para exposições, empréstimos, movimentações diversas e para fins de pesquisa.

Essas atividades formam um programa preventivo que busca manter a coleção para as gerações futuras.

Projetos de Conservação